Luverdense empata no Rio com o Botafogo, mas cai uma posição: 00 à 00

Foto: SportSinop - Lancenet

O Luverdense conseguiu um ponto importante na tarde deste sábado empatando no Engenhão por 0x0 com o Botafogo, pela 16ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Mas o empate não melhorou a situação do time luverdense na classificação: caiu do 15º para o 16º lugar e agora, com 17 pontos ganhos, é a primeira equipe fora do Z4.


Botafogo e Luverdense não fizeram um grande jogo, na estreia do técnico Ricardo Gomes no Alvinegro e com público pequeno no Engenhão. As chances reais de gols foram poucas. O time carioca tomou a iniciativa, mas o LEC marcou bem e, nos contra-ataques conseguiu levar perigo algumas vezes ao gol adversário.
Na próxima sexta-feira o Luverdense recebe o Paysandu no Passo das Emas.
O JOGO
Nem a presença de Ricardo Gomes no banco de reservas, voltando a trabalhar como técnico quase quatro anos após sofrer um AVC também no Engenhão, num claro exemplo de superação do ser humano, foi capaz de motivar a equipe alvinegra, que parecia estar numa ressaca daquelas – sem exceções.
Beneficiado por essa preguiça, o Luverdense pôde praticar, exatamente e sem erros, o jogo que queria. Com muita marcação e apostando nos contra-ataques, a equipe de Mato Grosso se fechou toda e, às vezes, todos os 11 jogadores ficavam atrás da linha do meio de campo.
A postura do Luverdense evidenciou o maior problema do Botafogo na Série B: a dificuldade em furar as retrancas montadas no Niltão, pelas equipes visitantes. Com as perdas de Gilberto, Jobson e Rodrigo Pimpão, o time perdeu algo fundamental para penetrar em defesas fechadas: o drible. Hoje, apenas Octavio tenta algo no time titular. Mas é pouco.
Neilton, que estreou no segundo tempo, mostrou que pode ser esse jogador, mas a falta de entrosamento e de ritmo de jogo ficou nítida. Aliás, ele foi o responsável por uma das únicas chances de gol em toda a partida, quando bateu cruzado e tirou tinta da travel rival, aos 18 minutos do segundo tempo. As outras chances alvinegras saíram dos zagueiros do Luverdense, Luiz Otávio e Everton, que quase marcaram contra – um em cada tempo do jogo.
Ao apito final, a insatisfeita torcida do Botafogo gritou “queremos jogador” e “queremos raça”. Não acredito que esses sejam os problemas. O time deve é acordar para a vida e voltar a vencer. Logo.
FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 0 X 0 LUVERDENSE
Local: Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ)
Data-Hora: 1/8/2015 – 16h30
Árbitro: Luís Teixeira Rocha (RS)
Auxiliares: Rafael da Silva Alves (RS) e Maurício Coelho Silva Penna (RS)
Público/renda: 9.585 pagantes/R$215.590,00
Cartões amarelos: Muralha, Da Matta e Alípio
Cartões vermelhos: –
GOLS: –
BOTAFOGO: Jefferson; Diego, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Carleto; Dierson, Willian Arão, Diego Jardel (Lulinha, 25’/2ºT) e Octavio (Daniel Carvalho, 26’/2ºT); Sassá (Neilton, intervalo) e Luis Henrique – Técnico: Ricardo Gomes.
LUVERDENSE: Edson; Osman, Luiz Otávio, Everton e Paulinho; Muralha (Rafael Tavares, 18’/2ºT), Ricardo, Da Matta e Diego Rosa; Alipio (Luiz Eduardo, 31’/2ºT) e Tozin (Lucas Fernandes, 31’/2ºT) – Técnico: Junior Rocha.
Fonte: SportSinop/Valcir Pereira e Lancenet               

Fotos: Redação/SportSinop
Tecnologia do Blogger.