Antes com três times competitivos, Rondonópolis vê queda no futebol


Foto: Globoesporte.com - Times de Rondonópolis

União Esporte Clube, Sociedade Esportiva Vila Aurora, e Rondonópolis Esporte Clube. Até o ano de 2014, Rondonópolis, maior cidade da região Sul de Mato Grosso, com mais de 200 mil habitantes, contava com três times na elite do futebol Mato-Grossense. Ao lado da capital Cuiabá, que também conta com três times (Cuiabá, Mixto e Dom Bosco), era a cidade com mais clubes na primeira divisão do estado. Mas problemas políticos e financeiros dos clubes rondonopolitanos, começaram a mostrar a realidade dos times que já foram responsáveis por grandes momentos do futebol estadual.

O clássico Uni-grão, entre União e Tigrão da Vila, já levou mais de 10 mil pessoas ao Estádio Municipal Engenheiro Luthero Lopes, em Rondonópolis. União e Vila Aurora já protagonizaram grandes jogos pelo Campeonato Mato-Grossense, levando a cidade a ter a maior média de público de alguns estaduais.
Em 2007, dirigentes que já participaram das diretorias dos dois times, fundaram um terceiro time na cidade. Nascia o Rondonópolis Esporte Clube. Time que começou com o principal objetivo de formar jogadores nas categorias de base. Um dos frutos do Leão, foi o meia atacante Valdívia, que mais tarde se transferiu para o Internacional de Porto Alegre.
Mas logo, o que parecia uma fartura de opções aos torcedores da cidade, virou um problema aos próprios clubes. Aliado aos péssimos resultados, o aumento de times causou uma evasão nas arquibancadas. A média de torcedores caiu pra pouco mais de 500 torcedores por jogo.
Sem torcida, pouco apoio de patrocinadores, e com as dívidas só crescendo, aos poucos os times rondonopolitanos foram sentindo o golpe. 
Header_Vila-Aurora_690 (Foto: Arte Esporte)

O primeiro a dar sinais de problemas, foi o Vila Aurora. Campeão estadual em 2005, com nomes como o meia Ronaldo Ortega, o goleiro Samir, e o atacante Moreno, o Tigrão pediu licenciamento do Campeonato Mato Grossense em 2014, alegando o acúmulo de dividas, principalmente trabalhistas, que girariam em torno de 700 mil reais, entre outras pendências.
Fora dos gramados, a Sociedade Esportiva Vila Aurora ainda viu seu Centro de Treinamentos ir a leilão na justiça no ano passado, por conta das dívidas trabalhistas. Com um acordo, a diretoria ainda conseguiu reverter a situação, mas teve que se desfazer de 10% da estrutura pra tentar colocar em dia as contas do clube. 
Vila Aurora levanta o último título do Estádio Verdão em 2009 - Copa Mato Grosso (Foto: Edson Rodrigues/Secopa-MT)Vila Aurora levanta o último título do Estádio Verdão em 2009 - Copa Mato Grosso (Foto: Edson Rodrigues/Secopa-MT)
Em 2016, o Tigrão poderia voltar na Segunda Divisão do Mato-Grossense, mas sem uma organização pra isso, o clube preferiu não voltar com o time profissional. O último presidente eleito, Marcos Antônio, teve seu mandato terminado no início do ano, e não quis continuar. Hoje o clube aguarda a realização de nova eleição pra definir o futuro. 
A reportagem do GloboEsporte.com conversou com o sócio-proprietátio do clube, Edi do Carmo, que comentou a situação do Tigrão da Vila.
- Hoje a gente conseguiu reduzir a dívida do Vila pra 200 mil reais, já foi uma vitória pra gente, mas ainda é muito pouco pra voltar com o time profissional. Voltamos com as categorias de base, com meninos de 7 à 12 anos, mas o time profissional, depende muito de novos patrocinadores, a situação ainda é muito difícil.
Header_Rondonópolis_690 (Foto: Arte Esporte)

Com a tabela do estadual 2016 já divulgada pela Federação Mato-Grossense de Futebol, foi a vez do Rondonópolis pedir pra não participar da competição. Em 2014, uma divergência entre diretores do clube, já apontava pra esse desfecho, com o próprio CT do clube sendo dividido com cercas. O projeto do estádio próprio, ficou parado. Quem cuidava do profissional, não opinava mais nas categorias de base. Com 8 anos de história, a falta de recursos mais uma vez, tirou um time profissional da cidade do cenário estadual. 
Rondonópolis campeão da Copa Mato Grosso (Foto: Assessoria/FMF)Rondonópolis campeão da Copa Mato Grosso em 2014. No ano seguinte, disputou a Copa do Brasil (Foto: Assessoria/FMF)

Além de uma multa de 50 mil reais, o clube agora só pode voltar a disputar o estadual em 2018, voltando na Segunda Divisão. E ainda assim, segundo o Presidente do clube Francisco Marino, não sabe se o time vai voltar a disputar um campeonato profissional.
- Enquanto houver essa briga interna entre os dirigentes não dá pra voltar. Só voltaria se conseguisse comprar a parte dos outros sócios, e ainda assim teria que ver as condições financeiras, hoje a nossa dívida nem é tão grande, gira em torno de 100 mil reais, é administrável, mas no time profissional a gente não tem quase nada de recursos, o retorno é muito pouco, diferente das categorias de base.
Header_UNIÃO-RONDONÓPOLIS_690 (Foto: Arte Esporte)

Time que jogou todas as edições da Série A do Campeonato Mato-Grossense, o União Esporte Clube, foi o único da cidade que continuou disputando as competições. Campeão estadual em 2010, o Colorado chegou a dar esperanças ao torcedor colorado depois que trouxe o atacante Valdir Papel pra disputar o bicampeonato estadual. O jogador até se destacou, marcando 5 gols, mas não foi o suficiente pra evitar a eliminação do time na segunda fase do estadual.
A renúncia do presidente Carlos Rufino no meio da competição, foi o primeiro sinal de que as coisas não estavam em ordem por lá. Reydner Souza, que era o vice, assumiu o cargo. Sob sua administração, o Colorado venceu o Estadual Sub-19, ficando com uma das vagas pra Copa São Paulo de Futebol Júnior 2017. Garotada que foi a base do time Sub-21 que disputou a Copa Federação, que garantia o campeão na Copa do Brasil do ano que vem, mas não passou da primeira fase.
Valdir Papel, União Rondonópolis (Foto: Reprodução/TVCA)Valdir Papel, União Rondonópolis (Foto: Reprodução/TVCA)

Com a maior dívida entre os três clubes da cidade, girando em torno de 3 milhões, o presidente do União, faltando poucos dias de encerrar o mandato, deixou claro que se não receber apoio financeiro, não vai se candidatar a reeleição. E ainda disse que não seria nenhuma surpresa se o União, não participasse do Estadual no ano que vem.
- A dívida hoje é grande, mas se a gente negociar dá pra pagar. O maior problema hoje é contratar, porque o time já tá queimado no mercado, os jogadores ficam sabendo da fama de mal pagador do clube. Por isso a gente só vai continuar se houver ajuda financeira de alguma forma.
Muitos times
Com a criação do Rondonópolis Esporte Clube, o que mais se falava na cidade, entre torcedores, empresários que já ajudaram o futebol local, e políticos, era de que o maior problema dos times de Rondonópolis, era que a cidade não comportava três times. Chegaram a ser feitas pesquisas pra saber a opinião pública, e até mesmo, cogitou-se a fusão dos três times em um só.
A rivalidade acabou falando mais alto, e por conta de alguns diretores do Vila Aurora, a fusão não foi unânime.
O problema é que se a cidade não terá os times jogando juntos por uma só camisa, corre também o risco de não ver nem Tigrão, nem REC, e nem Colorado em campo no ano que vem.
Fonte: SportSinop/Valcir Pereira e Por Cuiabá, MT

Fotos: Redação/SportSinop

Tecnologia do Blogger.